Lucchesi
topo

O que os heptapods do filme “A Chegada” podem nos ensinar sobre programação

É possível expandir nosso pensamento aprendendo uma nova linguagem? Um dos melhores sci-fi de todos os tempos acredita que sim — e com base na ciência.

Cena do filme A Chegada (Arrival), 2016.
Cena do filme A Chegada (Arrival), 2016.

No filme A Chegada (Arrival, em inglês), alienígenas chamados heptapods chegam à Terra e ficam, durante meses, estacionados em suas naves espaciais em 12 lugares diferentes do planeta.

A população fica aterrorizada!

Enquanto o caos se espalha, cientistas de todos os cantos do mundo trabalham sem parar para obter as respostas para essas perguntas, mas é a Drª Louise Banks — especialista em linguística — quem consegue o primeiro contato com os heptapods.

Se você acha que mandarim ou árabe são difíceis, é porque ainda não viu o idioma dos heptapods:

Símbolos da linguagem dos heptapods (Heptapod B).
Símbolos da linguagem dos heptapods (Heptapod B). Qualquer semelhança com a logo do Rust é mera coincidência.

Os meses passam e a tensão só aumenta. A população quer respostas, mas não há consenso sobre o que fazer com os alienígenas.

Em meio a uma crise política global, a Drª Banks e sua equipe trabalham dia e noite para decifrar o significado desses símbolos misteriosos da linguagem dos heptapods.

“Ei alienígenas, qual é a de vocês?” — é o que eles querem perguntar antes que algum governante tome uma decisão precipitada.

Como se a história já não fosse esquisita o suficiente, a Drª Banks começa a ter uma série de flashbacks e visões…

Ela então percebe que o seu contato com os heptapods está afetando a sua forma de ver o mundo e que, ao aprender a língua deles, ela teria ganhado um “superpoder” que mudaria a sua vida para sempre.

Pura ficção ou existem mesmo superpoderes ocultos em linguagens estranhas?

Segundo a hipótese de Sapir-Whorf — teoria linguística por trás do filme A Chegada — a forma como pensamos é influenciada pelas linguagens que conhecemos.

Assim, a língua não seria somente um meio de expressar nossos pensamentos, mas também teria influência sobre eles e sobre a forma como nos relacionamos com o mundo.

Em teoria, pensaríamos com palavras, e por isso um chinês não pensaria da mesma forma que uma pessoa que fala inglês ou que alguém que fala francês.

Um exemplo que demonstra essa relação é a gramática e a sintaxe (ordem das palavras), que mudam de acordo com cada cultura e podem influenciar a ordem e a elaboração do nosso pensamento.

Embora a teoria de Sapir-Whorf nunca tenha sido provada, é um consenso entre os linguistas que linguagem e pensamento estão entrelaçados.

E isso nos leva as seguintes questões:

Linguagens diferentes podem te dar superpoderes!

No filme, depois de aprender o idioma dos alienígenas, a Drª Banks passa a se relacionar de forma não-linear com o tempo.

Ela ganha o superpoder de ver o futuro como o passado, e de poder fazer algo sobre isso no presente.

Antes do contato com os heptapods, o tempo era um problema resolvido para a Drª Banks.

Ela conhecia passado, presente e futuro e achava que sabia o que eles eram, o que significavam e como lidar com eles.

Mas aqueles círculos estranhos mudaram tudo…

Os círculos da linguagem dos heptapods, que significam que início e fim estão interligados, deram a algo trivial — o tempo — um novo significado.

E eu, programador, com isso?

Assim como a Drª Banks fazia com o tempo, muitos programadores acham que dominam programação, ainda mais depois de aprender algumas linguagens.

A história é mais ou menos assim: o sujeito começa no PHP, depois vai pro JavaScript, dá um pulo no Ruby e, por fim, se converte ao Python.

Com você pode ter sido diferente, talvez a ordem, talvez as próprias linguagens, mas percebeu o problema?

Embora existam diferenças entre essas linguagens de programação, todas elas são muito mais parecidas do que diferentes

Todas são linguagens dinâmicas, orientadas a objeto e com foco nos mesmos domínios de aplicação. Em todas elas você aprende a declarar variáveis, que podem mudar o valor e até o mesmo tipo durante a execução do programa; a reusar código usando herança; e a fazer um blog do zero em 15 minutos.

Coisas muito úteis, que com certeza valem a pena aprender, mas você acha que a Drª Banks teria o poder de ver o futuro se os heptapods falassem espanhol?

Aprenda uma linguagem realmente diferente

Assim como o tempo ganhou um novo significado para a Drª Banks, conceitos básicos como variáveis, polimorfismo e modularidade ganham novas formas quando você aprende uma linguagem realmente diferente.

Isso não é coisa de filme. Aprender uma linguagem que desafie a sua forma de pensar colocará novas ferramentas no seu kit de programador e te dará novas habilidades para criar soluções novas para problemas antigos.

Vai ser fácil?

Assim como mandarim é mais difícil do que espanhol para quem já sabe português, aprender Elm será mais difícil do que React.js se você estiver acostumado com Vue.js.

Quanto mais diferente for a linguagem ou tecnologia, maior será o esforço necessário para dominá-la, mas maior será também a recompensa: uma mente equipada com o superpoder de pensar diferente!

Já imaginou como seria se…

Você aprendesse em 2020 uma linguagem totalmente diferente das que você já viu até então? Uma linguagem que desafiasse sua forma de pensar assim como a linguagem dos heptapods desafiou a Drª. Louise? Uma linguagem que te desse uma nova perspectiva sobre desenvolvimento de software?

Então o desafio para este ano é aprender uma linguagem diferente:

E se você não sabe por onde começar, eu fiz um guia com 8 Linguagens Funcionais para Aprender em 2020, onde eu resumo as melhores características de 8 linguagens que valem a pena ser estudadas e que com certeza te ajudarão a se tornar esse programador com superpoderes.

Curiosidade final sobre a língua dos heptapods

Ela não é aleatória! Sim, os símbolos da linguagem dos heptapods não são aleatórios. Eles foram criados por Stephen Wolfram (fundador do WolframAlpha) e seu filho Christopher Wolfram.

Se você viu o filme e também ficou impressionado com todo aquele trabalho computacional, saiba que ele é real. 🤩

Já tem até Google Tradutor para Heptapod B (como foi batizado o idioma dos heptapods) e pessoas trabalhando em uma versão estendida da linguagem, a Heptapod B+.


Logo depois que eu publiquei este post, o Fernando Faé recomendou no Facebook o livro História da sua vida e outros contos, que contém a história que inspirou o filme A Chegada. Segundo ele, o livro é muito bom, e eu resolvi inclui-lo aqui para quem quiser se aprofundar no assunto. 🤓📚